Em: Notícias CDLNITEROI

Brasileiro consome menos carne e indústria prevê crise sem precedentes

Com recuo da demanda e exportações enfraquecidas, Abrafrigo alerta para o fechamento de frigoríficos e desemprego
Por Darlene Santiago (darlene@sfarming.com.br)
O setor frigorífico prevê o início de uma “crise sem precedentes”. Um dos fatores que justificam a previsão é a queda no consumo de carne bovina, de acordo com a Associação Brasileira de Frigoríficos (Abrafrigo). O consumo do brasileiro, que girava em torno de 40 quilos per capita ao ano, agora é estimado em 32 quilos por habitante por ano.

A Abrafrigo alertou o mercado sobre a crise e afirmou que os empresários estão preocupados com o futuro porque não há sinais de que no curto prazo a situação se modifique. “Está muito próxima a situação de fechamento de unidades e desemprego, algo que não imaginamos que pudesse vir a ocorrer tão cedo”, afirma o presidente executivo da Abrafrigo, Péricles Salazar. Segundo ele, o setor frigorífico emprega mais de um milhão de trabalhadores no Brasil.

Exportações

De acordo com a Abrafrigo, o cenário é agravado por dificuldades no mercado externo, como a redução das exportações de carne bovina para a Rússia e a Venezuela e preços baixos.

O Brasil exporta cerca de 20% da produção nacional de carne bovina espera um crescimento de pelo menos 4,1% das exportações (mais 76,1 mil toneladas), para um total de 1,915 milhão de toneladas. Ainda assim, segundo a Abrafrigo, as exportações não solucionam a crise porque o produto brasileiro não é devidamente valorizado. A entidade afirmou em comunicado que os baixos preços pagos no mercado internacional já fizeram com que o valor da desvalorização do Real perante o dólar fosse anulado.

“Além disso, as exportações, que compensavam a dificuldade de gerar resultado financeiro com o mercado interno, perderam rendimento com a desvalorização cambial e alta da arroba. O dólar abaixo de R$ 3,50 como está atualmente não ajuda em nada o setor”, afirma Péricles Salazar.

Fonte: uol.com.br