Em: Na mídia

Comandante promete intensificar monitoramento para evitar roubo de cargas – A Tribuna – 10/08/2021

Nessa terça-feira (10) está acontecendo o Café Empresarial, na sede da Câmara Dirigentes Lojistas (CDL Niterói), onde o novo comandante do 12º BPM-Niterói, tenente-coronel Roberto Christiano Dantas, foi convidado para falar sobre suas propostas a respeito da segurança na cidade. Além da questão da segurança pública, como o aumento dos roubos de cargas na cidade, o encontro trata sobre questões como a população de rua de Niterói.

O presidente da CDL-Niterói, Luiz Vieira, comentou que Niterói sempre teve baixo índice de roubo de carga, mas teve um aumento principalmente na área da 78ª DP (Fonseca). “Isso nos preocupa muito. Além da segurança encarece também os seguros para os empresários”, frisou.

Questionado sobre um possível planejamento, o comandante se comprometeu em intensificar o monitoramento na cidade. “Temos o cerco eletrônico e o chefe de planejamento de operações vai intensificar o monitoramento. Também temos as abordagens aos motoristas de caminhões de carga e estamos atentos para isso. Vamos trabalhar em conjunto com a polícia civil do Fonseca para tentar identificar os receptadores. Estamos atentos para essa questão”, explicou Dantas.

Outra promessa do comandante é em relação a população de rua de Niterói. “Esse problema não é somente de Niterói. Temos que tratar isso com parceria entre várias esferas, como conselho tutelar, assistência social, Ministério Público, Guarda Municipal e outros representantes. È muito importante essa parceria com todos os órgãos. A polícia militar quando se junta fica muito fácil resolver uma questão. Vamos solicitar ao Ministério Público sobre uma ação para tratar esses moradores de rua”, prometeu Dantas.

Vieira também opinou sobre essa questão. “As pessoas acham que só moram na rua viciados em drogas. Tem muitos trabalhadores que não podem gastar dinheiro com passagem e dormem na rua, além de pessoas com problemas de saúde, desempregados, pessoas expulsas de comunidades e muitos outros casos. A cidade de Niterói tem abrigos para dar assistência mas não podemos tirá-las da rua pela força. Não é permitida a internação compulsória”, finalizou.

Fonte: A Tribuna