Em: Notícias CDLNITEROI

Comércio em clima de futebol

Copa do Mundo movimenta diversos setores da economia

Verde, amarelo, azul e branco. Quatro cores que pintam o coração, o guarda-roupa, as ruas e o ambiente do brasileiro quando se trata de Copa do Mundo. Este ano, a Rússia sedia o vigésimo primeiro Campeonato Mundial de Futebol FIFA e o Brasil, país do futebol, já começa a se preparar para torcer por mais uma vitória. De 14 de junho a 15 de julho o mundo inteiro acompanha a bola rolando em uma grande festa. Quando se trata de marcar gols, o comércio precisa de muita tática e meio de campo para garantir a vantagem neste período, mas ele pode contar com a paixão do torcedor (e consumidor) brasileiro.

Mateus Conte tem apenas 23 anos, mas há mais de 5 trabalha com seu tio em comércio. Em janeiro deste ano, um novo desafio: gerenciar uma loja de artigos de festa. Apaixonado por futebol, ele gostou de ouvir de seus colegas de trabalho, que já estavam há anos no ramo, a orientação de dar atenção à Copa do Mundo, não deixando que nenhum artigo de torcida faltasse no estoque. “A cada quatro anos, é a época que o setor mais vende”, ouviu Mateus. Por causa disso, ele não esperou um segundo para decorar toda a loja da + Festa de verde e amarelo assim que os produtos novos chegaram. “No mesmo dia já vendemos. Isso me deixou com boas expectativas para a sazonalidade”, diz animado.

Olhando por essa perspectiva, em todo o período dos jogos ele espera um crescimento de 50% no faturamento usual – e atribui o otimismo à Seleção do técnico Tite. “Depois da convocação dos jogadores, eu percebi o pessoal bastante empolgado com uma chance de irmos longe, ao menos à semifinal”.

Apesar de ver uma melhora nas vendas, Mateus acredita que o pico será apenas perto dos jogos. “O brasileiro ainda tem essa mania de deixar tudo para a última hora”, constata. Segundo ele, uma parte do estoque está separada para não faltar nas proximidades das datas das partidas.

Para não perder um lance

É a primeira vez que Mateus vive a Copa do Mundo em seu ambiente de trabalho. Já Jorge Figueiredo, gerente das Casas Bahia no shopping Plaza, está há doze anos na empresa e passou por alguns mundiais no comércio. Como é costume de muitos assistirem a Copa do Mundo de frente para a TV com familiares e amigos, ao procurar a melhor imagem possível, um dos produtos de maior procura nesse período de Copa são as televisões.

São diversas as ofertas e as formas de compra, e quanto mais se aproxima o início dos jogos, maior a procura por um novo televisor. “O cliente hoje espera as promoções que realmente o atendem, então está esperando chegar mais perto da Copa”, comenta o lojista. A fim de atrair mais ainda o consumidor, a aposta é em ofertas mais interessantes. “Nosso carro-chefe do momento é o ‘combo‘. Você compra uma TV de 55 ou 60 polegadas e ganha outra de 32 polegadas. Para o público do shopping, a televisão com internet e a 4k – televisores com maior qualidade de imagem e nitidez – são as procuradas”.

 

As ofertas, no entanto, não se limitam às TV’s: Home Teather e Home Bar são apostas que também acompanham as vendas na Copa. Para Jorge, o clima é de otimismo e a expectativa é de que as vendas aumentem cada vez mais. “Já tivemos um crescimento de 30% na quantidade de TVs que estávamos vendendo e esperamos mais 30%, 40% do que estamos vendendo agora”, conclui.

 

Um olho no cliente e outro na oportunidade

O brasileiro, quando troce, não quer apenas pular e gritar. É muito normal em dias de jogos da Seleção vermos pessoas com camisas, bandanas, canecas e muitos outros acessórios que ajudam a expressar o amor pelo Brasil. Victor Marques trabalha com design de produtos personalizados há quase oito anos, na loja Espaço Digital. Este ano, às vésperas da Copa do Mundo, se diz animado com a oportunidade de aumentar o faturamento. “Na ocasião, enxergamos a oportunidade de crescer os negócios e dar uma alavancada nas vendas. Por isso, estamos trabalhando bastante para dar conta da demanda que busca por novidades relacionadas à Seleção Brasileira”, comenta Victor.

Segundo Victor, as vendas já estão acontecendo e engana-se quem acha que só os brasileiros estão se preparando para torcer. “Já existe público em busca de produtos relacionados à Copa. Na maioria brasileiros, claro, mas também alguns estrangeiros. Muitos buscam por produtos personalizados com nome do cliente, alguns para serem enviados a brasileiros que estão no exterior e não encontram este tipo de serviço”, comemora o lojista.

Ele destaca que assim como nas outras datas comemorativas, o momento é de investir naquilo que há maior procura. “Já estamos sentindo o aumento das vendas relacionadas à Copa e ao Brasil, ainda mais por ser a única empresa do segmento a atuar dentro do Niterói Shopping. Temos sido bastante procurados”, orgulha-se. A estimativa da Espaço Digital é de alcançar um aumento de pelo menos 50% nas vendas.

Para torcer junto

E quando o assunto é sentir o clima da torcida? Pensando nisso, o restaurante BemDito, inaugurado em 2006, tem planejado diversas atividades para os dias de jogos, a fim de atrair mais clientes.

A informação é de Viviane Andrade, que já trabalha no BemDito há onze anos. “Teremos festas com atrações e DJs no segundo andar do estabelecimento antes e depois das partidas. Nós contamos com 3 telões para transmissão dos jogos, dois no segundo andar e um na área externa”, enumera. A entrada custa 20 reais.

O BemDito funciona normalmente na parte da tarde e da noite, mas, de olho na oportunidade, abrirá pela manhã para contemplar mais jogos. “Como normalmente só abrimos à noite, a expectativa é que aumentemos bastante a rotatividade da casa”, analisa Vivane.