Em: Na mídia

Comércio já está de olho na Páscoa. Presidente da CDL Niterói diz que expectativa das vendas nesse período é excelente com crescimento de 7,5%. – A Tribuna 02/03/2020

A Associação Brasileira da Indústria de Chocolates, Amendoim e Balas (Abicab) divulgou que a indústria de chocolates gerou 14 mil vagas temporárias. E em Niterói não será diferente e a expectativa de vendas para o período de Páscoa 2020 no município é de aumento de 7,5% no comparativo com o mesmo período de 2019. O carnaval já terminou e as lojas que vendem a iguaria e a matéria-prima para confecção dos ovos de Páscoa já comemoram as vendas.

O presidente da Câmara de Dirigentes Lojistas de Niterói (CDL-Niterói), Luis Vieira, disse que a expectativa das vendas nesse período é excelente com crescimento de 7,5%.

“Está tendo um investimento muito grande do empresariado nesse sentido, principalmente nas variações de ovos de Páscoa. Cada ano que passa, tem crescido o evento Páscoa e dificilmente alguém vai deixar de dar ovo de Páscoa para criança, que tem apelo emotivo muito grande”, explicou.

Em uma loja no Centro de Niterói, por exemplo, as vendas começaram antes mesmo do Carnaval.

“Muitos clientes já compraram a matéria-prima para a confecção do chocolate. E estamos com os estoques cheios para esse período”, resumiu a gerente Tainá Cristina Nascimento.

A funcionária informou ainda que o que mais está sendo procurado é a barra de chocolate de um e de dois quilos. A primeira custa R$ 17,99 e a segunda R$ 33,99.

“O que mais vende é um tablete que mistura o chocolate meio amargo e o ao leite. Essa mistura deixa o sabor balanceado em caso de recheios mais doces”, completou.

De acordo com a Abicab as posições temporárias contemplam tanto a linha de produção quanto os pontos de venda. Só nas fábricas há um incremento de cerca de 16% no volume de mão de obra no período. A produção de 2020 está em andamento e a previsão é de que os produtos comecem a abastecer as gôndolas logo após o carnaval.

“Presentear com chocolate na Páscoa é uma tradição no Brasil, por isso, as indústrias investem constantemente em inovação para fazer frente a esta demanda e contribuir, durante este período, para o aquecimento da economia e a movimentação do varejo”, comentou Ubiracy Fonsêca, presidente da associação.

Fonte: A Tribuna