Em: Na mídia

Editorial do Presidente do dia 28/02/2020 – O Fluminense

Confira a coluna de Luiz Vieira

Nos últimos dias, a zona sul da cidade sofre com assaltos a pedestres e furtos a estabelecimentos comerciais. Os casos, relatados em Icaraí e Santa Rosa, causam pânico em moradores e comerciantes. E o que mais chama a atenção: o indivíduo chegou a ser encaminhado a delegacia, mas foi liberado por falta de um pedido de prisão formalizado contra ele. O elemento está sendo investigado por furtos em série, e, enquanto esperamos por uma resposta da Justiça sobre o caso, outras tentativas de arrombamento foram relatadas por lojistas da área, que indicam o indivíduo como suspeito da ação.

Temos um histórico de apoio da 77 DP, comandada pela delegada Raissa Celles, que, com sua equipe, tem desempenhado um excelente trabalho e foi responsável, inclusive, pela prisão do bonde do fuzil, que assaltou inúmeros estabelecimentos comerciais em Niterói. Assim como temos o suporte do Coronel Sylvio Guerra, da Polícia Militar, e do Niterói Presente, ambos sempre solícitos com as demandas da população.

O que observamos que é que a legislação, muitas vezes, não permite que o gestor de segurança pública cumpra o seu papel, como é o caso do criminoso que hoje atua na zona sul de Niterói e tira a sensação de segurança da população. Infelizmente, o nosso código penal precisa ser revisto para que a polícia possa atuar e não enxugar gelo. O ciclo de prisões, encaminhamentos para a delegacia e a soltura de suspeitos, ao seguir a atual lei, acaba por transmitir uma sensação de impunidade. O que observamos com isso é uma alta reincidência criminal.

Da forma que abordamos a criminalidade hoje, o profissional de segurança, seja Niterói Presente, guarda municipal, polícia civil ou militar, se sente desanimado. Mesmo com forte investigação e trabalho de campo, não conseguem retirar os elementos da rua e estes continuam aterrorizando comerciantes e população. Algo precisa ser feito. É necessário que juristas e sociedade civil discutam o código penal. Precisamos lutar pelo nosso direito de ir e vir e pelo cumprimento da Justiça. Esperamos que em breve o mandado de prisão seja emitido e este elemento pague pelos atos que cometeu. Queremos paz na nossa cidade. Unidos somos mais fortes.