Em: Notícias CDLNITEROI

Empreender no ramo da beleza, um desafio

Minha história como empresária no ramo da beleza começou há 13 anos atrás quando me chamaram para fazer um projeto de reforma num salão que funcionava há 40 anos num pequeno apartamento térreo. Naquela época, já aposentada e recém saída de uma formação de designer de interiores, pesquisei sobre o segmento para criar um projeto adequado e funcional. Conheci não só todo o conceito de ergonomia que um salão deveria respeitar (foco inicial da minha pesquisa) como também os detalhes de funcionamento em que a receita é baseada no número de profissionais que você consegue alocar naquele espaço. E o mais importante, a relação única e especial que o/a cliente estabelece com aquele espaço e aqueles profissionais. Saí tão empolgada da pesquisa, que acabei virando sócia deste salão.

Ao longo destes anos, conversando com pessoas que me procuram antes ou depois de abrirem seus espaços de beleza e acompanhando o crescimento desse peculiar negócio, vejo que a decisão é quase sempre baseada muito mais pela paixão e sonho do que por um plano de negócios cuidadoso, essencial a qualquer ato de empreender. E este é o fator que determina o sucesso ou fracasso do negócio. Um grande número de salões fecham antes de completar 2 anos de existência.

Uma pesquisa feita pelo Sebrae diz que em 2012 tínhamos 155 mil salões de beleza no Brasil. Hoje temos mais de 600 mil. Somos o 3º maior mercado de beleza, só perdendo para China e EUA, segundo a ABIHPEC.

Antes de 2012, esse segmento era caracterizado por uma grande informalidade e falta de legislação específica. De lá pra cá avançamos muito, tanto pela criação de Associações, como a ABSB (Associação Brasileira de Salões de Beleza) e o apoio de importantes entidades como o SEBRAE, que desde 2011 vem atuando de maneira significativa no segmento, como também pela criação de diversas leis e normas:

  • Lei 12.592/2012, que reconhece a profissão de cabeleireiros, manicures, barbeiros e afins

  • Lei 13.352/2016 que estabelece a relação de parceria entre salão e profissionais de beleza

  • LC 155/2016, que permite descontar da receita bruta do salão os valores repassados aos parceiros

  • Norma Técnica para Salão de Beleza – ABNT

  • Nova diretiva 2017 da Vigilância Sanitária

Com todo esse avanço, se de um lado está mais fácil estabelecer um bom plano de negócio e assim uma maior previsibilidade de sucesso, por outro é espantoso ver a quantidade de pessoas que continua decidindo o negócio pensando somente na abertura de um espaço bonito, sem conhecer ou obedecer a legislação, baseando a sua decisão apenas na procura de profissionais para povoar aquele espaço e consequentemente, pagando comissões acima do que é possível sustentar dentro do respeito às leis de contratação e tributação. Mais preocupante ainda é ver empresas antigas funcionando ainda na informalidade e desrespeito às leis vigentes, estabelecendo dessa forma uma concorrência desigual e predatória, principal problema deste setor.

Destaco abaixo fatores que considero determinantes para o sucesso em empreender no mercado de beleza, além do que é comum a qualquer negócio, como escolha do ponto, conhecimento do negócio e suas peculiaridades, gestão de estoque, gestão financeira com atenção ao fluxo de caixa:

  • Criar diferenciais de competitividade, para não ser mais do mesmo;

  • Conhecimento e adoção das NTSB (Normas Técnicas de Salão de Beleza);

  • Filiação às entidades do Setor (ABSB, Sindicato Patronal da sua cidade, entre outras);

  • Escolha de contador que conheça e saiba operar no segmento;

  • Gestão compatível com novo cenário de parceria;

  • Conhecimento do cenário tecnológico para escolha de um software de gestão adequado;

E por fim, o que seria óbvio mas não é,

  • Respeito às normas e leis vigentes;

  • Não encarar o negócio como hobby;

  • Ter consciência da dedicação que um negócio requer. A maior ilusão é acharmos que abrir um negócio vai nos dar mais tempo ou maior flexibilidade de horários.

Não poderia terminar este artigo sem destacar o melhor deste segmento, a cereja do bolo: a dedicação e amor com que o profissional de beleza exerce o seu ofício é coisa bonita de se ver. É o que faz tudo valer a pena! Ao longo destes 13 anos, estabeleci com eles relações e parcerias que fizeram e fazem diferença na minha história de vida.

Marize Tolezano, Proprietária e gestora do Prya Salão de Beleza
Adm Empresas, Faculdade Moraes Junior
Tecnologia da Informação, PUC
Designer de Interiores, Candido Mende