Em: Na mídia | Notícias CDLNITEROI

Empresários do setor naval de Niterói discutem crise do setor e desassoreamento do canal de São Lourenço

 O presidente da Câmara de Dirigentes Lojistas da cidade e secretário de Desenvolvimento Econômico de Niterói, Fabiano Gonçalves, acompanhou, na manhã desta terça-feira (07/07), a reunião da Associação Conselho Empresarial Naval-Offshore  e Serviços de Niterói (Asscenon) que discutiu a crise enfrentada pelos estaleiros da cidade. Durante o encontro no estaleiro MacLaren, empresários e representantes dos trabalhadores do setor falaram sobre a necessidade da dragagem do canal de São Lourenço, cujo assoreamento impede a entrada de grandes embarcações e plataformas para reparo.

 

 “O governo municipal apoia os empresários nessa luta, por entender o impacto que a crise do setor naval causa na cidade. Além de contribuírem com o ISS, os estaleiros empregam diretamente 12 mil pessoas e, indiretamente, cerca de 40 mil. Se essas pessoas perderem seus  empregos, outros setores também vão ter perdas. O desassoreamento do canal é de suma importância para que realizem serviços de grande porte e, se o governo estadual não tiver recursos para realizar, precisa exigir do governo federal”, destacou Fabiano Gonçalves.

 

 O secretário também falou sobre algumas ações da prefeitura que beneficiam o setor.” A prefeitura tem feito a sua parte em importantes obras que beneficiam as atividades navais, como a construção da ponte que liga a Ilha do Caju à Ilha da Conceição, além de apoiar a melhora do tráfego nas proximidades dos estaleiros”, disse.

 

 O vice-presidente da Asscenon, Maurício Almeida, falou da migração dos serviços navais para outros estados.  “O setor naval está para o Rio, como a indústria automobilística está para São Paulo. Vamos nos unir aos trabalhadores e pressionar o governo do estado a olhar por essa região. Niterói é o berço do setor naval e não podemos continuar assistindo os serviços migrando para outras regiões. Se isso continuar acontecendo, as empresas também  terão que migrar”, disse.

 

 O presidente do sindicato dos metalúrgicos, Edson Costa, lembrou que obras semelhantes já foram realizadas em outros pontos. “Já saiu (a obra do) o canal do Cunha, do Porto do Rio e da Praia da Beira. Por que não podem realizar a dragagem do canal de São Lourenço?”, questionou o representante dos trabalhadores.

 

 Também esteve presente na reunião o presidente da Asscenon, Elizio Fonseca; o secretário  municipal da Indústria Naval, Luis Paulino Moreira Leite, e diversos representantes de estaleiros e de empresas prestadoras de serviços navais.