Em: Notícias CDLNITEROI | Slideshow

Paterno – o estilo do momento

Com a chegada do Dia dos Pais, o comércio lojista já se prepara com liquidações e descontos de roupas e acessórios para os consumidores. Embora também seja uma data comemorativa, a ocasião atinge praticamente um terço do movimento do Dia das Mães. A estimativa da Federação da Câmara dos Dirigentes Lojistas do Estado do Rio de Janeiro (FCDL) para a data é que neste ano as vendas cresçam 8% em relação ao ano anterior.

O presidente da FCDL, Jair Francisco Gomes, adiantou que, apesar de existir uma procura pelos produtos dos setores de eletrodomésticos e eletrônicos, a demanda maior é na área de confecções e calçados. “O Dia dos Pais é uma data que sempre cresceu muito e as lojas de shoppings estão sempre preparadas para isso. Dentre os produtos que o consumidor vai encontrar estão casacos e acessórios de inverno”, declarou.

Já o professor de Varejo de MBA da Fundação Getúlio Vargas (FGV), Daniel Plá, afirmou que a população de renda mais alta vai fomentar o comércio lojista nessa data em virtude do período de inflação por qual passa o Brasil. “O que vai salvar o Dia dos Pais é a nova classe média. A população de renda mais alta tem comprado tênis no exterior a um terço do preço do Brasil”, destacou.

Ao contrário do que ocorreu no Dia das Mães, quando 30% das lojas deixaram de promover a data, o professor aconselha que o comércio faça a divulgação dos produtos. De acordo com ele, esse procedimento seria de fundamental importância para o comércio já que, em função das manifestações, o varejo teve uma perda de 15% no faturamento no mês de junho.

Dentre os três setores mais procurados estão as áreas de calçados, óticas e vestuário. Porém, segundo o especialista, um produto que vem ganhando cada vez mais destaque e tem sido uma das opções de presente para os pais, são os livros. “Livrarias também são beneficiadas nessa data”, disse.

Em contrapartida, diferentemente do Dia dos Namorados e do Dia das Mães, um produto que quase não é lembrado nesta época do ano, são os chocolates. Uma dica de Daniel Plá seria que esses doces fizessem parte de uma cesta, o que é mais comum no dia das Mães. “Pacotes específicos de mercadoria para os pais seriam interessantes. Os supermercados, por exemplo, poderiam fazer uma cesta para presenteá-los”, sugeriu.

O Sr. Elmo Fazzi e o seu filho Fernando comandam a Ecco Madeiras, junto a outros familiares

Filhos que seguem o mesmo caminho dos pais

Não só de presentes é marcado o Dia dos Pais. Grandes histórias de empresários que passaram seus empreendimentos para os filhos também merecem destaque nesse dia especial. Como é o caso de Fernando Nardy Fazzi, 40, que há 21 anos trabalha ao lado do pai.

Dono da loja de material de construção ECCO MADEIRAS, situada na Rua Visconde de Uruguai, 161, Centro de Niterói, Elmo Fazzi, 81 anos, começou seu negócio em 1964 quando veio da Itália. Ao lado dos seus quatro filhos, ele comanda a loja.

Tudo teve início quando Elmo resolveu montar seu próprio negócio. No intuito de ajudar o pai, Fernando, ainda menino, começou a fazer pequenos serviços na loja durante as férias escolares. Após se formar em Ciências Contábeis, ele resolveu seguir os passos do pai.

Para Fernando, trabalhar ao lado do pai, representa uma troca de experiência. “Você mistura um pouco de casa com o profissional. Não tem uma reunião de trabalho. A gente está em casa e começa a pensar em uma solução para o trabalho. Alimenta o lado administrador. É uma troca de informações mútua” – Fernando Fazzy

Fernando, que possui duas filhas, uma de 11 e outra de 7 anos, disse que ainda é cedo para pensar em passar o negócio da família para as filhas, mas caso isso ocorra, vai estar preparado para entregar o posto. “Vai depender mais delas do que de mim. A gente trabalha para que elas tenham um futuro promissor. Mas se elas quiserem dar continuidade ao trabalho vai ser bem-vindo”, contou orgulhoso.