Em: Notícias CDLNITEROI

Ponto de Vista: a esperança dos pequenos empresários

Coluna Ponto de Vista, publicada no jornal O Fluminense no dia 21/05. Nela, o presidente da CDL, Fabiano Gonçalves trata de assuntos de interesse do comércio e da população de Niteroi

Neste início de mês, a presidente Dilma Rousseff nomeou o ex-presidente da FIESP Guilherme Affif Domingos como ministro da Secretaria da Micro e Pequena Empresa como responsável por esta pasta.

Ótimo. De fato como somos os maiores empregadores do País além de sermos mais de 95% em números de empresas no Brasil, porém contribuímos com menos de 25 % do PIB nacional e menos de 1% das exportações brasileiras, uma diferença grande se comparado a outras nações, como Itália 56%, Grécia 55% e Espanha 51%, que representam mais da metade das exportações desses países. Nossa vizinha Argentina, 60%, Uruguai 30% das exportações são feitas por micro e pequenas empresas. E por que no Brasil não fazemos? Neste artigo quero indagar por que não fazemos isso? Simples: Tributação e Cultura.

Hoje nossa principal visão está na questão da Substituição Tributária, que nos obriga a pagar antecipadamente o ICMS dos produtos que compramos em outros Estados da Federação, antes mesmo que venhamos a vendê-los. Isso nos faz gastar tempo calculando guias, 4 (quatro ) no mês, 05; 15 e 25 (ST) e 20 (DAS), no mínimo destoa do projeto inicial do SIMPLES, que teria uma guia única de imposto. Além, poucos estão qualificados para apurar os valores cobrados e preparar as guias, sobrecarregando os contadores. Na maioria das vezes, o empresário tem que parar de negociar e ele mesmo preparar as guias. Então, qual tempo que sobra para nos preocuparmos em abrir mercados? Não temos a cultura de falar outro idioma, comercializamos pouco para fora, exceção dos agricultores exportadores. Então nos resta lamentar quando vemos índices de outras nações sobre exportações sendo efetuadas pelas MEs e EPPs. Então para o novo ministro, pedimos um olhar atento a essa questão, pois o SEBRAE e as CDLS vêm levantando essas questões. Agora acreditamos em dias melhores, pela sensibilidade da presidente que sabe da importância do nosso setor para o Brasil.