Em: Notícias CDLNITEROI | Slideshow

Prefeitura e governo federal assinam contrato para construção da Transoceânica

A Prefeitura de Niterói e o Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão assinaram na manhã desta quarta-feira (27/11) o contrato para a construção da Transoceânica, um dos principais projetos de mobilidade urbana da cidade, que vai ligar o bairro de Engenho do Mato, na Região Oceânica, a Charitas.

Realizada no MAC (Museu de Arte Contemporâea), cerimônia de assinatura contou com a presença do prefeito da cidade e da ministra Miriam Belchior. Segundo o prefeito, o custo da obra gira em torno dos R$ 315 milhões, com investimentos de R$ 292,3 milhões do governo federal e o restante de contrapartida do município.

A obra da Transoceânica é o primeiro projeto de mobilidade urbana que compõe a carteira de mobilidade urbana do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC2) do governo federal a ser assinado. Todos os projetos haviam sido anunciados em março.

De acordo com o prefeito, a previsão é que as obras comecem em 2014 e fiquem prontas até o primeiro semestre de 2016. Ele falou que o edital de licitação deverá ser lançado ainda no primeiro trimestre do próximo ano. Para agilizar o processo, o edital será feito pelo o RDC (Regime Diferenciado de Contratações) feito em contratos do PAC em cidades com relação com as Olimpíadas de 2016.

O Corredor BRT da Transoceânica beneficiará cerca de 80 mil pessoas por dia e 10 bairros, entre eles Itaipu, Piratininga, Camboinhas, Várzea das Moças e Itacoatiara. A via terá um total de 9,3 quilômetros de extensão com faixas exclusivas para ônibus, um túnel que vai ligar os bairros do Cafubá e Charitas de 1,3 quilômetro, além de ciclovias.

Os ônibus funcionarão no sistema BHLS (Bus of High Level of Service). Equipados com ar-condicionados, os coletivos terão portas de ambos os lados. Os passageiros serão recolhidos nos próprios bairros onde moram e os ônibus serão autorizados a entrar na faixa exclusiva do BHLS.

No projeto da Transoceânica, está prevista também a integração da via com a estação hidroviária de Charitas, que será reforçada com a aquisição de novas barcas vindas da China, e será transformada em um terminal intermodal.